Pular para o conteúdo principal

Motivação, ação pessoal e ação impessoal


Em tempos de isolamento social e uso de redes sociais, grupos de aplicativos, percebemos que as pessoas estão cada vez mais sensibilizadas com a forma como o outro se expressa ou comunica. Porém, o que ocorre é que nem sempre o que o outro publica é uma indireta ou uma intenção de atingir alguém. Muitas vezes só quer se expressar. Expôr de algum modo o que sente ou simplesmente porque naquele momento achou interessante.
O que seria um ato impessoal? Seriam manifestações da natureza ou acidentes. "Atingir" alguém pela rede social pode ser um acidente não intencional.
As intenções pessoais são  quando de modo voluntário e dirigido por objetivos queremos atingir o outro.
Como os acontecimentos pessoais são intencionais e estão voltados para o objetivo, exigem uma motivação. Não se realiza uma intenção sem tentar provocar.
Assim, acontece na aprendizagem. É preciso, internamente, querer aprender. Querer fazer. Como dizem os mais jovens: É preciso ter foco.
Se uma pessoa quer aprender e está motivada internamente para isso, embora tenha dificuldades irá aprender. O professor tem que motivar o seu aluno, mas o aluno também tem que estar predisposto internamente para receber esta motivação. Embarga, então, o olhar atento do professor para as aptidões e motivações de cada aluno.
O professor deve estar atento à capacidade de seus alunos e à dificuldade da tarefa oferecida, ou seja, à característica da pessoa e à característica da tarefa. Os dois conceitos estão interligados, pois uma pessoa é capaz de realizar um ato se a dificuldade não é maior do que a sua capacidade.
Alguns fracassos podem ser atribuídos à dificuldade da tarefa.
 O professor deve ter o cuidado de não seguir para o próximo conteúdo se o primeiro ainda não foi assimilado pelos alunos. Volto a falar: se um aluno de pré-escola nunca teve contato com a escrita, com o espaço escolar, poderá ter mais dificuldades, assim também um aluno de primeiro ano do Ensino Fundamental que vai pela primeira vez à escola, no início poderá ter algumas dificuldades em manusear cadernos e lápis, depois estando motivado e curioso com o novo ambiente aprenderá normalmente.
O desenvolvimento cognitivo desempenha um papel essencial no desenvolvimento do comportamento humano. O primeiro passo é receber e processar informações vindas do ambiente. Acredita-se que este processamento leve aos indivíduos perceberem a consciência sobre o mundo externo e a representação cognitiva do ambiente interno. Tarefa árdua do professor. Não é só ter quadro e giz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sequência didática: Atividades - História João e o Pé de Feijão

 

Projeto: Dia de quem cuida de mim

Tema: Dia da família ou de Quem Cuida de Mim. Publico alvo: Crianças, famílias, Comunidade escolar, Objetivo geral: Propiciar às crianças a continuação da reflexão de sua estrutura familiar e o conhecimento da constituição de outras famílias, refletir sobre o relacionamento entre as pessoas de sua família e as demais pessoas que a rodeiam, oportunizando o respeito e o interesse pelos diferentes grupos familiares. Objetivos específicos: ·         Reconhecer e valorizar os membros da família. ·         Compreender a história de seus colegas a partir de sua própria história ·         Permitir ao aluno vivências que estimulem a fala e expressões corporais. ·         Desenvolver a criatividade através da interação com outros pares, além da sala de aula. ·         Interagir com outras crianças em diferentes faixas etárias, através de brincadeiras. ·         Desenvolver a linguagem oral e escrita. Justificativa:   A família é o primeiro ponto de re

Projeto - Atividades: Meu Pintinho Amarelinho

  Atividades a partir da música: Meu pintinho Amarelinho. Campos de experiencias:  Corpo, gestos e movimentos. Traços, sons, cores e formas. Escuta, fala, pensamento e imaginação. Espaços. tempos, quantidades, relações e transformações. Objetivos: Demonstrar controle e adequação do uso de seu corpo em brincadeiras e jogos. Criar movimentos, gestos, olhares e mímicas em brincadeiras, jogos e atividades artísticas como dança, teatro e música. Coordenar suas habilidades manuais no atendimento adequado a seus interesses e necessidades em situações diversas. Expressar-se livremente por meio de desenho, pintura, colagem, dobradura e escultura, criando produções bidimensionais e tridimensionais. Expressar ideias, desejos e sentimentos sobre suas vivências, por meio de linguagem oral e escrita (escrita espontânea), de fotos, desenhos e outras formas de expressão. Estabelecer relações de comparação entre objetos, observando suas propriedades. Classificar objetos e figuras de acordo com suas sem