Pular para o conteúdo principal

Sentimento



Vivemos na suposição de alguns padrões comumentes aceitos, desejáveis, que facilitam a interação social. A suposição de um fator geral do que é desejável simplifica a vida social.
Estar alerta ao que o outro gosta ou deseja permite que se antecipe as suposições sobre esta pessoa ou grupos de convivência, geralmente padronizados. Fugir destes padrões pode gerar desconfortos, nos outros ou em sí mesmo.
O sentimento pode ser uma das raízes do comportamento. Fazemos coisas porque as pessoas desejam que assim o façamos ou porque pensamos que as agradaremos. Nas tentativas de influenciar outras pessoas, criamos estratégias que acreditamos fazer para que gostem de nós. Para que sejamos aceitos pelo outro.
Sob alguns aspectos, os sentimentos se assemelham a gostos e aversões. Sentimentos a respeito de objetos são relativamente indiferenciados, incluem gostos e aversões e talvez temores.
Sentimentos a respeito de pessoas são muito mais diferenciados. Podemos ter ódio, desprezo, admiração ou simpatia. Sentimentos relativos a objetos estão ligados de modo simples, geralmente a desejo, conforto e prazer.
Sentimento de pessoa para pessoa é complexo, difícil descrever porque uma pessoa gosta da outra. Em base, envolve afinidades e modos de pensar.
No bem conviver faz-se necessário o equilíbrio entre as relações, conjunto de sentimentos compatíveis e uma boa dose de maturidade emocional e respeito.
Assim, o comportamento humano é cognitivamente dirigido, construído e reconstruído. Se tivermos um ambiente familiar e social saudável, teremos mais facilidade em criarmos e mantermos relações saudáveis. Ter ambientes saudáveis não há relação com fator financeiro ou constituição do núcleo familiar. Falamos em relações afetivas, convivência. Com a constituição de desenvolvimento humano saudável provavelmente saberemos nos adequar facilmente às diferentes situações ou se não nos adequarmos a padrões saberemos sobre ética, honestidade com os outros e conosco, além de respeito com o outro e conosco.
Quem consegue ser resiliente ao longo de sua vida, se modifica, se reconstroi, adquire feridas, mas também tem êxito social, se aceita e muitas vezes pode ter maior facilidade em compreender os diferentes comportamentos de seus pares sociais.
O comportamento humano, irrigado de sentimentos é dirigido para a realização de objetivos que precisam ser conhecidos para que possam ser atuantes. É conivente ter autoconhecimento. Autoaceitação. Autoperdoar-se e perdoar o outro. Essa cognição é um processo natural que depende da exposição das pessoas no mundo. Quanto mais exposição, mais cognições. Se o processo for muito doloroso e afetar o amor próprio, psicoterapias podem se fazer necessário e esclarecer o caminho ao longo da caminhada da vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sequência didática: Atividades - História João e o Pé de Feijão

 

Projeto: Dia de quem cuida de mim

Tema: Dia da família ou de Quem Cuida de Mim. Publico alvo: Crianças, famílias, Comunidade escolar, Objetivo geral: Propiciar às crianças a continuação da reflexão de sua estrutura familiar e o conhecimento da constituição de outras famílias, refletir sobre o relacionamento entre as pessoas de sua família e as demais pessoas que a rodeiam, oportunizando o respeito e o interesse pelos diferentes grupos familiares. Objetivos específicos: ·         Reconhecer e valorizar os membros da família. ·         Compreender a história de seus colegas a partir de sua própria história ·         Permitir ao aluno vivências que estimulem a fala e expressões corporais. ·         Desenvolver a criatividade através da interação com outros pares, além da sala de aula. ·         Interagir com outras crianças em diferentes faixas etárias, através de brincadeiras. ·         Desenvolver a linguagem oral e escrita. Justificativa:   A família é o primeiro ponto de re

Projeto - Atividades: Meu Pintinho Amarelinho

  Atividades a partir da música: Meu pintinho Amarelinho. Campos de experiencias:  Corpo, gestos e movimentos. Traços, sons, cores e formas. Escuta, fala, pensamento e imaginação. Espaços. tempos, quantidades, relações e transformações. Objetivos: Demonstrar controle e adequação do uso de seu corpo em brincadeiras e jogos. Criar movimentos, gestos, olhares e mímicas em brincadeiras, jogos e atividades artísticas como dança, teatro e música. Coordenar suas habilidades manuais no atendimento adequado a seus interesses e necessidades em situações diversas. Expressar-se livremente por meio de desenho, pintura, colagem, dobradura e escultura, criando produções bidimensionais e tridimensionais. Expressar ideias, desejos e sentimentos sobre suas vivências, por meio de linguagem oral e escrita (escrita espontânea), de fotos, desenhos e outras formas de expressão. Estabelecer relações de comparação entre objetos, observando suas propriedades. Classificar objetos e figuras de acordo com suas sem